sábado, 2 de janeiro de 2016

(Falta de) Resoluções 2016

Olá, flores rococós!

Já aqui de novo! <3

Este post está "agendado" para o primeiro fim-de-semana do ano, que foi a forma que encontrei de compensar minha falta de planejamento inicial e poder escrever meio que livremente sem bagunçar demais as coisas. Aviso que tem aqui um alto grau de reflexão pessoal.

Uma coisa que em todos os anos eu fiz era a tal da lista de metas para o ano seguinte. Ou para o semestre seguinte, ou mês seguinte, e até segunda-feira seguinte. Cheguei a conseguir usar metas de forma produtiva, mas definitivamente uma lista mais "genérica" e de longo prazo não me ajudou muito não. E isso angustiava demais.

Não é muito acalentador ver o tempo passando e as metas não se cumprindo. Isso me aconteceu acredito que por três coisas, e talvez já tenha ocorrido com mais gente. Listarei aqui:

Falta de noção nas metas
Começo de ano, em especial, é aquela época de tudo vai mudar, não é mesmo? E então aproveitando o novo clima refrescante, as expectativas, a frustração com coisas que não deu para fazer no ano anterior, a pessoa vai e faz uma lista de simplesmente quase tudo que vêm à cabeça e que ela gostaria de fazer. No geral acabam sendo coisas que estão sendo adiadas há anos. Exemplos principais costumam ser: economizar dinheiro e perder peso. Viajar mais ou conseguir uma promoção também podem estar aí. No fim, ficou uma lista enorme e muito poluída, ou muito genérica, e assim difícil de realizar.

Clima contagiante de Ano-Novo
Faço disso um item por si só porque é o que mais me afeta e foi o que me levou a ter uma meta um tanto curiosa (revelada mais abaixo). Está todo mundo naquele clima festivo, fazendo planos e etc, você também se empolga com o clima e faz uma lista. Mas acaba acontecendo de ser uma lista mais do "me deixei levar pelo clima", o que leva ao último problema:

Falta de compromisso e disciplina para realizar a meta
Eu já coloquei muitas coisas em listas de metas minhas que eu simplesmente me lembrei que poderia estar na meta porque vi na lista de outra pessoa. Mas aí pera lá: se eu só lembrei do tema porque outra pessoa comentou, talvez aquilo não fosse de principal importância para mim, né? Ou também o clima de "posso tudo" de começo de ano me fez achar que bastava empolgação para conseguir seguir uma meta. Mas leva mais do que isso: determinação e organização.

Eu entendo que há muita gente que faz listas de resoluções e lida bem com elas. Admiro muito vocês, acho muito legal conseguir administrar essas coisas! Entretanto, também espero que haja aí no meio também pessoas que se parecem comigo e que meu post possa ajudá-las!


A meta de não ter metas 

Acabei por, pelo menos por 2016, admitir minha falta de preparo para as tais metas anuais, mensais ou o que quer que seja. Acaba sendo muita empolgação de momento, por ter um ano todo para realizar, leva a procrastinação da minha parte, e falta de disciplina para realmente realizar as coisas. Também notei uma coisa muito estranha em mim, que é o fato de que perco muita energia e foco me empolgando com a expectativa de algo. Exemplo claro: fico tão alegre mentalizando que atingirei aquelas metas ao fim do ano que falta energia para realmente realizar coisas. Não parece, mas às vezes focar a energia exige um esforço consciente.

Estou tendo que aprender a dirigir menos energia a emoções, até mesmo à empolgação, e mais a ações concretas. Meu passo inicial nessa direção acabou sendo o de tentar não me deixar empolgar por listas de metas. Simplesmente não fazer metas para 2016 e apenas tentar manter em mente obrigações e disciplinas imediatistas. Que, repetidas no ano todo, levarão a uma disciplina (espero!).

Em vez de fazer listas e pensar que "no futuro farei isso", tentar pensar no que posso fazer agora. Tentar mentalizar que a vida é no presente e não gastar energias imaginando as metas. Pode parecer bizarro, mas tem funcionado para mim até agora. E juro que um monte de vezes comecei a pensar "em 2016 eu vou..." e me interrompi e mantive o pensamento vazio.

É claro que tenho certas metas, mas elas não são para 2016. São na realidade desejos que eu já tinha, mudanças pessoais que não estão presas exatamente a um tempo cronológico. No caso, todas sem exceção se remetem a mudanças internas. É assim que tenho conseguido notar um pequeno processo de mudança: ver cada ação que preciso tomar como vinculado a uma mudança interna em mim. O que eu quero mudar é psicológico.

Como já falei, tenho convivido com depressão e problemas decorrentes dela já há uns bons anos. E andei notando que maior parte dos meus problemas diários mais sérios aparecem vinculados à doença. Portanto, cada ação positiva que tomo, todos os dias, significa em mim um passo para longe da depressão. Eu sei distinguir ações construtivas e destrutivas. Desta forma, tenho dividido minhas ações. Acredito que minha única meta atual seja superar minhas ações destrutivas (que no geral aparecem muito ligadas a inação e apatia).

Então que venha um 2016 "sem metas"! ♥

E para quem tem meta, muito boa sorte e disciplina para atingir o máximo possível!

Nenhum comentário:

Postar um comentário